Defeitos e você

defeitos e voce

Quando ilusão, mentira e dissimulação me vem a mente, meu cérebro me remete a você. Defeitos, milhões deles. Você. Não que eu não tenha algum… sou cheia deles, mas nenhum me desqualifica tanto quanto os seus. Talvez o pior deles é a frieza que percorre suas veias e congela seu coração. Aquele mesmo coração que a tempos atrás eu acreditava fazer parte. Aquele mesmo que você dizia que batia mais forte quando estava comigo. Aquele mesmo que eu pensava que existia… Me enganei. O motivo? O de sempre. Tentar encontrar o lado bom. Devia ter acreditado na intuição (sempre ela) quando seus olhos demonstravam outra coisa. Deveria ter percebido. Não Percebi. E Agora já está feito. Passado com gosto de arrependimento. E um coração quebrado para contar a história.

Você.

 VOCÊ

Me deitei nessa cama com a certeza que esqueci de algo essa noite. Olhei em volta, e tudo permanecia a mesma coisa. A janela um pouco aberta com o barulho do transito que me faz dormir. O vento gelado. A coberta com cheiro de amaciante de bebê. Meus desenhos pendurados na minha escrivaninha. E na mesa um dos milhões de textos que já escrevi. Mas, talvez, seja algo dentro de mim. Procurei. Procurei. Procurei. Talvez um pedaço de mim tenha ido no momento em que a porta bateu, e você se foi sem aviso prévio. Um dia, dois, três. Uma semana, duas, três. Um mês, dois, três. O tempo só sabe brincar de ser cronológico. Porque entre o tempo psicológico e cronológico existe um buraco. Negro. Fundo. Um abismo de sentimentos, pensamentos, sofrimentos. Acho que tudo isso junto se chame saudade. Vivem me dizendo que isso vai passar. Também vivem me dizendo para correr atrás do que me faz bem. Me diz como escolher? Era você que me ajudava com isso. Era você o escolhido para eu deitar minha cabeça em seu colo, enquanto eu pensava e você deslizava suas mãos em meu cabelo. A melhor sensação do mundo. Ou uma das. Você sempre foi – e será que sempre será? – a melhor sensação que já provei. A unica que mexe com todos meus sentidos, com todos meus pensamentos em uma sequência que embaralha-desembaralha-embaralha-desembaralha meus pensamentos. Você… presente que deveria ser passado…

“Você está sozinho. Você e a torcida do Flamengo…

vc esta sozinha

…em frente a tevê, devora dois pacotes de Doritos enquanto espera o telefone tocar. Bem que podia ser hoje, bem que podia ser agora, um amor novinho em folha.

Trimmm! É sua mãe, quem mais poderia ser? Amor nenhum faz chamadas por telepatia. Amor não atende com hora marcada. Ele pode chegar antes do esperado e encontrar você numa fase galinha, sem disposição para relacionamentos sérios. Ele passa batido e você nem aí. Ou pode chegar tarde demais e encontrar você desiludido da vida, desconfiado, cheio de olheiras. O amor dá meia-volta, volver. Por que o amor nunca chega na hora certa?

Agora, por exemplo, que você está de banho tomado e camisa jeans. Agora que você está empregado, lavou o carro e está com grana para um cinema. Agora que você pintou o apartamento, ganhou um porta-retrato e começou a gostar de jazz. Agora que você está com o coração às moscas e morrendo de frio.

O amor aparece quando menos se espera e de onde menos se imagina. Você passa uma festa inteira hipnotizado por alguém que nem lhe enxerga, e mal repara em outro alguém que só tem olhos pra você. Ou então fica arrasado porque não foi pra praia no final de semana. Toda a sua turma está lá, azarando-se uns aos outros. Sentindo-se um ET perdido na cidade grande, você busca refúgio numa locadora de vídeo, sem prever que ali mesmo, na locadora, irá encontrar a pessoa que dará sentido a sua vida. O amor é que nem tesourinha de unhas, nunca está onde a gente pensa.

O jeito é direcionar o radar para norte, sul, leste e oeste. Seu amor pode estar no corredor de um supermercado, pode estar impaciente na fila de um banco, pode estar pechinchando numa livraria, pode estar cantarolando sozinho dentro de um carro. Pode estar aqui mesmo, no computador, dando o maior mole. O amor está em todos os lugares, você que não procura direito.

A primeira lição está dada: o amor é onipresente. Agora a segunda: mas é imprevisível. Jamais espere ouvir “eu te amo” num jantar à luz de velas, no dia dos namorados. Ou receber flores logo após a primeira transa. O amor odeia clichês. Você vai ouvir “eu te amo” numa terça-feira, às quatro da tarde, depois de uma discussão, e as flores vão chegar no dia que você tirar carteira de motorista, depois de aprovado no teste de baliza. Idealizar é sofrer. Amar é surpreender.”

Martha Medeiros

Quanto ao pessimismo alheio e todo resto

Imagem

Adicione um curso com pouca concorrência e quase noventa por cento voltado para lecionar, uma escola repleta de mimados e tenha uma situação quase comum: Preconceito e pessimismo alheio.
Dizer sobre o curso que pretendo fazer em uma faculdade é sinônimo de passar fome e olha que ainda nem escolhi o que quero fazer. Seria mentira dizer que não me preocupo com a renda no meu bolso no final do mês, mas não é algo que me faça desistir dele.
“Mas quem faz esse curso, noventa e nove por cento passa fome, faz medicina”. “Eu serei o um por cento que fará um banquete”, rebato com o sangue fervendo nas veias. E um “ps” aos leitores sofistas existentes por ai, as réplicas não são feitas no intuito de preocupação com meu futuro, e sim devido a mentalidade que só os cursos de medicina e direito prestam. Vai entender, né? Tenho uma mentalidade quase ingênua a objetivos: Se você for o melhor, você conseguirá destaque. Penso que em toda profissão se você obter melhores resultados, irá ser o melhor, e consequentemente ganhará prestigio. Mas ai vem a parte maliciosa da história: Eu sei que para fazer isso vou precisar RALAR em muito.
Entendeu o meu raciocínio? Agora estenda isso para o resto da sua vida. Plante esforço, e ganhará prestígio. Quando ao pessimismo alheio? Faça o mesmo que a foto ali, logo acima. Apenas uma sugestão.

Amar, amor

Imagem Enquanto você sussurrava o primeiro – e mais importante – eu te amo, o meu mundo parou por um instante. A euforia se apoderou de todo o meu corpo, enquanto meu coração batia em ritmo acelerado, descontrolado, ofegante. Um sorriso instantâneo criou em meu rosto, e posso te dizer com certeza que foi um dos mais sinceros e inesquecíveis.

Nunca imaginária dois meses atrás que iria conhecer meu primeiro namorado. Muito menos iria achar alguém que fosse tão perfeitamente feito para mim. Sempre fui apaixonada por você e não sabia… Eu fui apaixonada por seu sorriso, pelo jeito que você ajeita meu cabelo quando venta, quando me oferece sua jaqueta quando cruzo os braços de frio, ou quanto me beija carinhosamente.

E é por isso que eu amo me surpreender. Você apareceu tão do nada, e tão de repente que me sinto a pessoa mais sortuda do universo. Não sei quanto tempo vai durar o “nós”… dias, semanas, meses ou anos. Mas se tudo continuar com a intensidade do agora, eu escolheria o para sempre…

Ciclo

TEXTO_ciclo

 Eu odeio essas madrugadas rolando na cama, sem saber para onde ir. Meu coração toma as rédeas dessas noites solitárias e suga toda minha energia e força para continuar lutando contra a força de esquecer você.

  Arrebatadora, impiedosa… Seu sorriso bobo, seus olhos meigos e sua voz com sotaque carregado paulista me remetem a mente, adicionado com as declarações em que eu tanto suspirava. Queria poder voltar no passado e concertar tudo. Concertar aquela parte em que eu te conheci. Ou concertar a parte que eu não sentia saudade de não gostar de ninguém.

  Tô cansada de gostar de alguém. Tô cansada de ocupar minha madrugada assistindo um filme da nossa história na minha cabeça. Tô cansada de lembrar de você. Tô cansada de ocupar minhas madrugadas escrevendo por esse sentimento sufocante. Procuro qualquer outra palavra no dicionário, mas sufocante é a única que consegue expressar em um só significado essa dor do peito, essa angústia, essa saudade…