Aquela noite

aquela noite

Senti seu perfume de longe. A fragrância que me arrepia até hoje percorreu meus sentidos e me fez suspirar em silêncio. Você estava por perto, e podia sentir seu olhar me fitando de costas. Era a primeira vez que eu o via fora da escola, e consequentemente a primeira vez que você não me via de moletom, chinelo e legging. Talvez meu sexto sentido me avisou que você viria em uma dessas festas que eu detestaria ir se não fosse essa intuição. Mas o ponto foi: Tinha me arrumado para aquela noite. Demorei um tempão para fazer a maquiagem idêntica a um desses vídeos no youtube, tinha achado uma saia de pedraria linda e usava um salto que me deixava – menos – baixinha. Não me virei e fui grata por isso.

Nunca entendi muito bem essa tal de química… Mas era fato que desde o momento que meu olhar cruzava com você no corredor da escola uma faísca aparecia. Seu jeito marrento, alternativo e quieto sempre me deixou com uma pulga atrás da orelha. Isso sempre me encantou. Enquanto a maioria das meninas amavam os bombadinhos ultrajados de blusa de grife, calca de grife, e tênis de grife, eu me contentava com um de blusa xadrez e all star. E eu gostava disso.

As luzes piscando, a musica bombando e as pessoas dançando. Você e o típico copo de Whisky de lado observando algumas meninas te olhando. Uma faísca entre olhares e meu corpo inteiro eletrizado por ver você. Passos lentos acompanhados de batidas de coração rápidas e o estômago doendo de ansiedade. E minhas pernas ainda estão bambas. Nesse salto gigante. Por fora pareço estável, mas por dentro meu corpo inteiro entra em erupção. Coisa de paixão platônica misturada com a realidade. Você se aproxima e me dá um oi. Com o hálito de álcool misturado com o restinho de cigarro e uma bala de menta. Odiaria tudo isso se não fosse você.

Nos demos bem. Descobrimos coisas em comum e me senti menos estranha em meio a tanta gente se divertindo alucinadamente. O assunto fluía e o som alto nos obrigava a aproximação. Sussurrar palavras no seu ouvido e ouvir sua voz meio rouca embriagar meus pensamentos abolia minha razão. Me concentrava em seus olhos… a razão do meu tormento. Não consiga entender a fluidez da conversa, dos assuntos, dos gostos. Tudo igual. A musica se intensificou e você também. Sua mão no meu ombro. Na minha nuca. Sua boca a dez centímetros. Cinco. Três. Um. Zero. Gol. Química de meses explanada em um beijo idealizado de olhares atrás. Talvez um começo de uma história. Talvez um amor de uma festa só.

Anoitecer

anoitecer

A noite chegou diferente hoje. O clima tá mais nublado, gelado e acolhedor. Talvez tudo em volta decidiu se adaptar ao nosso amor e acolher o nosso dia de forma especial. Eu me deito em seu colo, enquanto as conversas nunca param com os diversos assuntos que vão aparecendo de forme espontânea. Você vai sussurrando frases monossilábicas e quando vejo já estou hipnotizada – de novo! – pelo seu olhar. O frio parece competir com o calor do momento e a única coisa importante é eu estar com meus lábios nos seus. A conexão entre nós se intensifica e nesse meio tempo eu suspiro por amar você tanto assim. Você parece ler minha mente quando repete isso em voz alta e acrescentar o quão sortudo é. Era um desses sábados em que o por do sol decide ficar mais bonito, colorido e inesquecível. Era um desses sábados em que duas almas distintas se transformavam em uma só.

Lapso

lapsoNum lapso entre a realidade e a fantasia você se encontra no meio. As vezes perambula pela realidade dando as caras, e as vezes toma conta dos pensamentos quando alguma coisa me remete a você. Detalhes, aqueles bem pequeninhos, eu consigo enxergar você. Não sei. As vezes sinto falta de compartilhar – e alguém se interessar – por fatos corriqueiros que eu vivo. E eu te juro que gostava de saber como estavam suas aulas na faculdade. Me interesso por coisas banais que você contava se importância nas horas que conversávamos e nunca faltava assunto. Eu falava tanta besteira e mesmo assim você me entendia. Me sentia menos louca com você. Ou simplesmente formávamos dois loucos andando por ai. Simetria ou assimétricos. Droga… lembrar de você me faz sentir saudade do passado e não querer mais esse presente. Nossa história é uma linha tênue entre o passado e o presente. Paralelo a isso meu coração bate mais forte. Sem ritmo e explicação. Confuso.

Porto seguro

porto seguro

Venho para o único lugar onde posso descansar. Onde posso repousar minha cabeça, ficar em silêncio e fechar meus olhos. Onde meus problemas magicamente desaparecem e dão lugar a uma sensação prazerosa. Vou para o único lugar onde sinto o que é ser especial. Vou para o seus braços. Talvez o único lugar que não haja mentiras, rancores, mascaras. Talvez o único lugar que olhares dão razão as palavras, onde um beijo consegue valer mais que qualquer coisa, onde algo sussurrado vale mais que um grito. Repouso em seus braços. Seus ombros me dão confiança, viram escudos de todo mal que tenta se absorver da minha vulnerabilidade dos meus problemas. Sou confusa. Perto de você tudo que parece estar errado se indireta. Você não é mágico, nem psicologo. Mas existe uma – umazinha – característica que faz todo esse milagre: o seu amor.

Te vejo

te vejo

Te vejo de longe, em meio a multidão que passa entre nós. Todo se desfoca, o resto vira resto e seus olhos miram aos meus. Doces, delicados. Intensos. Queria entender a intensidade de um olhar, de um gesto, de nós. A razão perde para o sentimento. De novo. Meu coração começa a bater tão rápido que alguém lá longe consegue escutar. Eu esqueço como respirar. Seu perfume me embriaga. Cada vez mais perto. Seu abraço. Seus ombros largos me protegendo. De tudo. De todos. Palavras ao pé do ouvido. Sua mão na minha. Sua mão na minha nuca. Seus lábios. Meus lábios. De repente tudo vira um só. Em sintonia. Diferentes corações, mas um mesmo sentimento: De amar.

Lembranças

Lembranças

Te vejo em todos os lugares. No seu filme de terror preferido que está sendo lançado no cinema essa semana. No nosso restaurante preferido que eu passo na frente sempre. No celular sem notificar as suas mensagens no whatsapp. Em algo engraçado que eu não ninguém para compartilhar. Tem um pedaço de você, de nós, em todos os lugares. Mas nunca você por inteiro. Nunca sua mão entrelaçada com a minha. Nunca seus braços me protegendo do frio. Nunca você. Sempre alguma lembrança, alguma coisa que sempre me fazia rir e agora me faz chorar. Sinto tantas saudades que a dor as vezes parece fazer parte de mim. Sinto saudades das declarações repentinas e no que eu acreditava durar muito mais. Lembro tanto de você por te conhecer por inteiro. Seus defeitos, duvidas, segredos, anseios e planos para o futuro. Mas tudo se foi… E o que resta são… restos. De um tempo que só sobrou lembranças. Memórias distantes que ainda ferem o coração.