” Medo de amar? Parece absurdo…

medo de amar

…com tantos outros medos que temos que enfrentar: medo da violência, medo da inadimplência, e a não menos temida solidão, que é o que nos faz buscar relacionamentos. Mas absurdo ou não, o medo de amar se instala entre as nossas vértebras e a gente sabe por quê.

O amor, tão nobre, tão denso, tão intenso, acaba. Rasga a gente por dentro, faz um corte profundo que vai do peito até a virilha, o amor se encerra bruscamente porque de repente uma terceira pessoa surgiu ou simplesmente porque não há mais interesse ou atração, sei lá, vá saber o que interrompe um sentimento, é mistério indecifrável. Mas o amor termina, mal-agradecido, termina, e termina só de um lado, nunca se encerra em dois corações ao mesmo tempo, desacelera um antes do outro, e vai um pouco de dor pra cada canto. Dói em quem tomou a iniciativa de romper, porque romper não é fácil, quebrar rotinas é sempre traumático. Além do amor existe a amizade que permanece e a presença com que se acostuma, romper um amor não é bobagem, é fato de grande responsabilidade, é uma ferida que se abre no corpo do outro, no afeto do outro, e em si próprio, ainda que com menos gravidade.

E ter o amor rejeitado, nem se fala, é fratura exposta, definhamos em público, encolhemos a alma, quase desejamos uma violência qualquer vinda da rua para esquecermos dessa violência vinda do tempo gasto e vivido, esse assalto em que nos roubaram tudo, o amor e o que vem com ele, confiança e estabilidade. Sem o amor, nada resta, a crença se desfaz, o romantismo perde o sentido, músicas idiotas nos fazem chorar dentro do carro.

Passa a dor do amor, vem a trégua, o coração limpo de novo, os olhos novamente secos, a boca vazia. Nada de bom está acontecendo, mas também nada de ruim. Um novo amor? Nem pensar. Medo, respondemos.

Que corajosos somos nós, que apesar de um medo tão justificado, amamos outra vez e todas as vezes que o amor nos chama, fingindo um pouco de resistência mas sabendo que para sempre é impossível recusá-lo.”

Martha Medeiros

Final

Final

Sempre fui aquele tipo de menina que não gosta de extremos. Você sabe disso mais do que ninguém. É estranho pensar que nossa história se cruze e descruze tanto por ai. Só que dessa vez parece que chegou ao final. Nunca gostei de palavras extremistas – apesar de escrever sempre com elas -, mas é hora de encaixa-las na nossa história. Talvez um adeus seja um palavra um tanto comum para me despedir. Já inventaram uma palavra que exprima todos os sentimentos vividos com você? Acho que não. Seria demais tentar escolher uma para definir amor, carinho, respeito, confiança e afeto. Seria demais uma palavra para definir a intensidade. A saudade. Sua voz inconfundível. Meu professor de química é de São Paulo e tem o mesmo sotaque que você, até nisso você consegue ser memorável. Queria, porém, dizer que você fora o primeiro de algo… Não foi. Talvez as primeiras experiencias tenham passado, ou elas sequer existiram. Foram todas restritas a uma chamada de duras horas e centenas de quilômetros. Não sei. É estranho pensar que duas almas se conectem tão distantes. Quilômetros me lembra você também. E fofura. Mas você tá longe. Longe. Longe. Longe. Distancia. Merda. Quero você de corpo aqui do meu lado. Quero você. Físico. Por inteiro.

Lembranças

Lembranças

Te vejo em todos os lugares. No seu filme de terror preferido que está sendo lançado no cinema essa semana. No nosso restaurante preferido que eu passo na frente sempre. No celular sem notificar as suas mensagens no whatsapp. Em algo engraçado que eu não ninguém para compartilhar. Tem um pedaço de você, de nós, em todos os lugares. Mas nunca você por inteiro. Nunca sua mão entrelaçada com a minha. Nunca seus braços me protegendo do frio. Nunca você. Sempre alguma lembrança, alguma coisa que sempre me fazia rir e agora me faz chorar. Sinto tantas saudades que a dor as vezes parece fazer parte de mim. Sinto saudades das declarações repentinas e no que eu acreditava durar muito mais. Lembro tanto de você por te conhecer por inteiro. Seus defeitos, duvidas, segredos, anseios e planos para o futuro. Mas tudo se foi… E o que resta são… restos. De um tempo que só sobrou lembranças. Memórias distantes que ainda ferem o coração.

De novo, e de novo

De novo 2

Quando minha vida finalmente volta nos conformes, vem você em um furação e leva tudo embora. Todos os meus planos, todos meus objetivos, todas as minhas pretensões. Reaparece como se nada tivesse acontecido. Como se nós continuássemos a conversar todos os dias. Como se ainda fossemos próximos. Como se ainda houvesse declarações e risadas constantes. Vem com tudo isso, menos com a realidade. Você ainda está com ela, lembra? Você ainda prefere alguém que te satisfaça de todos os modos (e você sabe quais) do que conquistar alguém que seja de verdade. Talvez porque você não seja homem suficiente para isso. Hoje, quando veio falar comigo TIVE que ser grossa. Direita. E te disse que não somos mais amigos. Não somos, mas a sintonia ainda existe. Merda. Sabe o que me dói? Eu ter que ser fria. Cada vez mais. E sentir orgulho por não cair nos seus braços, sentir orgulho por ser mulher o suficiente e não ser fácil. Não deveria ser assim. Deveriam-se banir os joguinhos e mentiras e ilusões e falsidade. Deveriam se banir, é na verdade, pseudo relacionamentos. Pseudo relacionamentos com sentimentos reais. Que doem.

“A Alegria na tristeza…

A alegria na tristeza

…O título desse texto na verdade não é meu, e sim de um poema do uruguaio Mario Benedetti. No original, chama-se “Alegría de la tristeza” e está no livro “La vida ese paréntesis” que, até onde sei, permanece inédito no Brasil. O poema diz que a gente pode entristecer-se por vários motivos ou por nenhum motivo aparente, a tristeza pode ser por nós mesmos ou pelas dores do mundo, pode advir de uma palavra ou de um gesto, mas que ela sempre aparece e devemos nos aprontar para recebê-la, porque existe uma alegria inesperada na tristeza, que vem do fato de ainda conseguirmos senti-la.

Pode parecer confuso mas é um alento. Olhe para o lado: estamos vivendo numa era em que pessoas matam em briga de trânsito, matam por um boné, matam para se divertir. Além disso, as pessoas estão sem dinheiro. Quem tem emprego, segura. Quem não tem, procura. Os que possuem um amor desconfiam até da própria sombra, já que há muita oferta de sexo no mercado. E a gente corre pra caramba, é escravo do relógio, não consegue mais ficar deitado numa rede, lendo um livro, ouvindo música. Há tanta coisa pra fazer que resta pouco tempo pra sentir.

Por isso, qualquer sentimento é bem-vindo, mesmo que não seja uma euforia, um gozo, um entusiasmo, mesmo que seja uma melancolia. Sentir é um verbo que se conjuga para dentro, ao contrário do fazer, que é conjugado pra fora.Sentir alimenta, sentir ensina, sentir aquieta. Fazer é muito barulhento. Sentir é um retiro, fazer é uma festa. O sentir não pode ser escutado, apenas auscultado. Sentir e fazer, ambos são necessários, mas só o fazer rende grana, contatos, diplomas, convites, aquisições. Até parece que sentir não serve para subir na vida.

Uma pessoa triste é evitada. Não cabe no mundo da propaganda dos cremes dentais, dos pagodes, dos carnavais. Tristeza parece praga, lepra, doença contagiosa, um estacionamento proibido. Ok, tristeza não faz realmente bem pra saúde, mas a introspecção é um recuo providencial, pois é quando silenciamos que melhor conversamos com nossos botões. E dessa conversa sai luz, lições, sinais, e a tristeza acaba saindo também, dando espaço para uma alegria nova e revitalizada. Triste é não sentir nada.”

Martha Medeiros