De novo, e de novo

De novo 2

Quando minha vida finalmente volta nos conformes, vem você em um furação e leva tudo embora. Todos os meus planos, todos meus objetivos, todas as minhas pretensões. Reaparece como se nada tivesse acontecido. Como se nós continuássemos a conversar todos os dias. Como se ainda fossemos próximos. Como se ainda houvesse declarações e risadas constantes. Vem com tudo isso, menos com a realidade. Você ainda está com ela, lembra? Você ainda prefere alguém que te satisfaça de todos os modos (e você sabe quais) do que conquistar alguém que seja de verdade. Talvez porque você não seja homem suficiente para isso. Hoje, quando veio falar comigo TIVE que ser grossa. Direita. E te disse que não somos mais amigos. Não somos, mas a sintonia ainda existe. Merda. Sabe o que me dói? Eu ter que ser fria. Cada vez mais. E sentir orgulho por não cair nos seus braços, sentir orgulho por ser mulher o suficiente e não ser fácil. Não deveria ser assim. Deveriam-se banir os joguinhos e mentiras e ilusões e falsidade. Deveriam se banir, é na verdade, pseudo relacionamentos. Pseudo relacionamentos com sentimentos reais. Que doem.