Nomofobia

Captura de Tela 2015-06-29 às 01.02.49

Dia desses criei uma conta no Instagram. Não sou muito chegada nas redes sociais porque envolvem tomar conhecimento da vida de gente que eu não ligo, então tive a brilhante ideia do meu user ser um nome qualquer, com a única função de seguir só os perfis de assuntos que me interessam. Numa dessas indicações do próprio Instagram, parei no perfil de uma adolescente com MUITOS seguidores e fotos bonitas.

Até ai tudo bem.

Mas o que me deixou com a pulga atrás da orelha, foi que as fotos alternavam ao culto do budismo, amar o próximo e meditar, enquanto nas outras tinham mil looks do dia com marcas de roupas que já foram denunciadas e noticiadas no mundo inteiro por usarem trabalho escravo e à tiracolo carregava bolsas de grifes caras e de couro.

Fiquei curiosa por ver se mais alguém percebia isso e a surpresa foi maior ao ver que virou tendência – ou se já existia e eu era alheia a isso – as pessoas necessitarem explanar nas redes sociais uma vida totalmente diferente da que vive. Não conheço muito sobre o budismo mas eu sei que:

1) Apesar da controvérsia das vertentes budistas sobre comer carne, todos entram num consenso que não se deve matar por interesses mesquinhos e por apegos fúteis. Isso inclui usar o couro de um animal numa bolsa de grife.

2) Evitar ao máximo uma vida regada a supérfluos.

Claro que são ensinamentos rígidos e complicadíssimos mas eu só queria mesmo mostrar a contradição que existe entre e menina e a princípios que ela diz seguir. Acho que o ponto não é conseguir seguir os ensinamentos e chegar lá e sim se esforçar – ou neste caso, conhecer um pouco mais do budismo.

Eu realmente não sei qualé das pessoas fingirem uma crença que não condiz com o padrão de vida ou simular toda uma ideologia só pra parecer legal. Isso me assusta um tiquin porque os valores estão sendo distorcidos ao ponto das pessoas preferirem aparentar o que não são na internet do que perder um pouquinho do tempo delas para se encontrar, descobrir como é, do que gosta, qual ideologias acredita e quais não.

A verdade é que nunca vai existir auto entendimento – e, na minha opinião, só compreendendo a si mesmo que se consegue encontrar o que te faz feliz – sem desconectar um pouco do celular e focar um pouco só em você.

Sobre sentir

Captura de Tela 2015-06-28 às 22.57.36Sentir não carece de complicação e se precisar, vai por mim, não vale a pena.

Enredos labirínticos só são bonitinhos em filmes de comédia romântica onde o telespectador sabe que o desfecho será ok e toda a angústia e dor da personagem foi recompensada. Se esse não for esse o seu caso, amar ou o caminho que te leva a isso não deve significar agonia ou incerteza o tempo todo.

A vida já é complicada demais para mais um fardo pesar no ombro sem nenhuma garantia. Sentir algo por alguém é – ou deveria – ser o alívio dos problemas e um colo para anestesiar as pancadas que a vida costuma dar.

As vezes a vontade de ter alguém do lado acaba levando as pessoas que não deveriam a ocupar o posto de namorado, ficante ou pessoa-que-eu-tô-gostando.

Mas oh: a dor de sofrer por alguém é bem pior que a da solidão.

O que restou de nós

--------2

Já revirei o baú de lembranças e procurei nos sentimentos empoeirados um restinho de você. O tempo passou rápido demais e levou consigo todos os meses, dias, horas e segundos que vivemos juntos para bem longe. Longe de tudo. De amigos próximos, lugares frequentados e gostos musicais. Conseguiu – depois de tanto sofrimento – levar você e todas minhas memórias para bem longe. Cheiros, gostos, sensações. Não sobrou sequer nostalgias para marcar alguma página do livro. Confesso que tentei folhear-lo em busca dos sentimentos perdidos, mas não encontrei nada. Sequer me lembro daquela música que você me disse que gostava e que te dava sensação de liberdade enquanto você dirigia na chuva. As vezes me dá uma angústia de não ter um pedaço de papel para me fazer lembrar o que eu era quatro anos atrás. Ou algo palpável. Mas talvez o destino agiu diferente e pregou uma peça limpando todos os rastros e destroços que você fez com meu coração e na minha mente. Destino, Deus ou eu mesma… Sei lá. A única sensação que me resta de tudo isso é o alívio e liberdade. Libertei meu coração, meu sofrimento e a tristeza e de brinde ganhei minha felicidade de volta.

Auto-escravidão

auto-escrvidao

Odeio me sentir escrava do meu próprio pessimismo, da minha insegurança e da minha estima. Essa bipolaridade de achismos, incertezas e gostos me deixa plantada em um abismo que parece cada vez fundo. Até que hora vou conseguir usar algo que me levante, até que hora a luz no fim do túnel vai aparecer? Amadurecer requer auto-suficiência, crescer significa abrir mãos de regalias e ter que decidir por si próprio. O comodismo da lugar a culpa das falhas serem unicamente suas e não mais de ninguém. Alias, como é gostosa e ilusória a sensação de nunca se culpar, não é? Já sinto saudade de me cegar por uma mentira que me fazia bem. Crescer trás tanta responsabilidade como vantagens. Mas por enquanto as vantagens saem perdendo de dez a zero nas desvantagens. Crescer também, é lutar por si mesmo, lembrar de levar a blusa de frio quando vai esfriar e não ter ninguém para pedir “mais cinco minutinhos”. Crescer é ser egoísta forçadamente. Crescer é sentir saudade da responsabilidade… de não ter responsabilidade.

Penso, logo entro em crise.

overthinking

Adolescência ou o final dela talvez seja a época que mais exista crise. Ser jovem é ser imediatista, fazer o momento… fazer acontecer. Viver presos a escola sonhando com a liberdade… de ir para faculdade. Somos feitos de paradigmas. Milhões deles. Queremos mudar o mundo, mas temos dificuldade de sequer mudar a nota de química que está abaixo da média. Idealizo o futuro sem fazer o presente, e ai o tempo vira passado e sem nenhum fato marcante. Se crescer é complicado, estar na mutação entre o que a gente é e o que vai ser é complicado mais ainda. Sou uma completa metamorfoses de ideias, conceitos e opiniões. As vezes, o que eu quero mesmo é ter algo concreto. Estável. É difícil valer o dia quando ele se resume a estudar matérias que não serão sequer aproveitadas na faculdade. E mais difícil ainda ter que substituir o tempo de ler notícias, assistir documentários e criar o mínimo de senso crítico por decorar formulas. Ser jovem é querer se destacar diante da multidão de alienados indo e vindo. É querer ser parte da história e se orgulhar disso. É construir algo para fazer os olhos brilharem lá para frente. Ser jovem é achar a formula mágica para todos os sonhos se tornarem realidade.

” Medo de amar? Parece absurdo…

medo de amar

…com tantos outros medos que temos que enfrentar: medo da violência, medo da inadimplência, e a não menos temida solidão, que é o que nos faz buscar relacionamentos. Mas absurdo ou não, o medo de amar se instala entre as nossas vértebras e a gente sabe por quê.

O amor, tão nobre, tão denso, tão intenso, acaba. Rasga a gente por dentro, faz um corte profundo que vai do peito até a virilha, o amor se encerra bruscamente porque de repente uma terceira pessoa surgiu ou simplesmente porque não há mais interesse ou atração, sei lá, vá saber o que interrompe um sentimento, é mistério indecifrável. Mas o amor termina, mal-agradecido, termina, e termina só de um lado, nunca se encerra em dois corações ao mesmo tempo, desacelera um antes do outro, e vai um pouco de dor pra cada canto. Dói em quem tomou a iniciativa de romper, porque romper não é fácil, quebrar rotinas é sempre traumático. Além do amor existe a amizade que permanece e a presença com que se acostuma, romper um amor não é bobagem, é fato de grande responsabilidade, é uma ferida que se abre no corpo do outro, no afeto do outro, e em si próprio, ainda que com menos gravidade.

E ter o amor rejeitado, nem se fala, é fratura exposta, definhamos em público, encolhemos a alma, quase desejamos uma violência qualquer vinda da rua para esquecermos dessa violência vinda do tempo gasto e vivido, esse assalto em que nos roubaram tudo, o amor e o que vem com ele, confiança e estabilidade. Sem o amor, nada resta, a crença se desfaz, o romantismo perde o sentido, músicas idiotas nos fazem chorar dentro do carro.

Passa a dor do amor, vem a trégua, o coração limpo de novo, os olhos novamente secos, a boca vazia. Nada de bom está acontecendo, mas também nada de ruim. Um novo amor? Nem pensar. Medo, respondemos.

Que corajosos somos nós, que apesar de um medo tão justificado, amamos outra vez e todas as vezes que o amor nos chama, fingindo um pouco de resistência mas sabendo que para sempre é impossível recusá-lo.”

Martha Medeiros