Nomofobia

Captura de Tela 2015-06-29 às 01.02.49

Dia desses criei uma conta no Instagram. Não sou muito chegada nas redes sociais porque envolvem tomar conhecimento da vida de gente que eu não ligo, então tive a brilhante ideia do meu user ser um nome qualquer, com a única função de seguir só os perfis de assuntos que me interessam. Numa dessas indicações do próprio Instagram, parei no perfil de uma adolescente com MUITOS seguidores e fotos bonitas.

Até ai tudo bem.

Mas o que me deixou com a pulga atrás da orelha, foi que as fotos alternavam ao culto do budismo, amar o próximo e meditar, enquanto nas outras tinham mil looks do dia com marcas de roupas que já foram denunciadas e noticiadas no mundo inteiro por usarem trabalho escravo e à tiracolo carregava bolsas de grifes caras e de couro.

Fiquei curiosa por ver se mais alguém percebia isso e a surpresa foi maior ao ver que virou tendência – ou se já existia e eu era alheia a isso – as pessoas necessitarem explanar nas redes sociais uma vida totalmente diferente da que vive. Não conheço muito sobre o budismo mas eu sei que:

1) Apesar da controvérsia das vertentes budistas sobre comer carne, todos entram num consenso que não se deve matar por interesses mesquinhos e por apegos fúteis. Isso inclui usar o couro de um animal numa bolsa de grife.

2) Evitar ao máximo uma vida regada a supérfluos.

Claro que são ensinamentos rígidos e complicadíssimos mas eu só queria mesmo mostrar a contradição que existe entre e menina e a princípios que ela diz seguir. Acho que o ponto não é conseguir seguir os ensinamentos e chegar lá e sim se esforçar – ou neste caso, conhecer um pouco mais do budismo.

Eu realmente não sei qualé das pessoas fingirem uma crença que não condiz com o padrão de vida ou simular toda uma ideologia só pra parecer legal. Isso me assusta um tiquin porque os valores estão sendo distorcidos ao ponto das pessoas preferirem aparentar o que não são na internet do que perder um pouquinho do tempo delas para se encontrar, descobrir como é, do que gosta, qual ideologias acredita e quais não.

A verdade é que nunca vai existir auto entendimento – e, na minha opinião, só compreendendo a si mesmo que se consegue encontrar o que te faz feliz – sem desconectar um pouco do celular e focar um pouco só em você.