Nomofobia

Captura de Tela 2015-06-29 às 01.02.49

Dia desses criei uma conta no Instagram. Não sou muito chegada nas redes sociais porque envolvem tomar conhecimento da vida de gente que eu não ligo, então tive a brilhante ideia do meu user ser um nome qualquer, com a única função de seguir só os perfis de assuntos que me interessam. Numa dessas indicações do próprio Instagram, parei no perfil de uma adolescente com MUITOS seguidores e fotos bonitas.

Até ai tudo bem.

Mas o que me deixou com a pulga atrás da orelha, foi que as fotos alternavam ao culto do budismo, amar o próximo e meditar, enquanto nas outras tinham mil looks do dia com marcas de roupas que já foram denunciadas e noticiadas no mundo inteiro por usarem trabalho escravo e à tiracolo carregava bolsas de grifes caras e de couro.

Fiquei curiosa por ver se mais alguém percebia isso e a surpresa foi maior ao ver que virou tendência – ou se já existia e eu era alheia a isso – as pessoas necessitarem explanar nas redes sociais uma vida totalmente diferente da que vive. Não conheço muito sobre o budismo mas eu sei que:

1) Apesar da controvérsia das vertentes budistas sobre comer carne, todos entram num consenso que não se deve matar por interesses mesquinhos e por apegos fúteis. Isso inclui usar o couro de um animal numa bolsa de grife.

2) Evitar ao máximo uma vida regada a supérfluos.

Claro que são ensinamentos rígidos e complicadíssimos mas eu só queria mesmo mostrar a contradição que existe entre e menina e a princípios que ela diz seguir. Acho que o ponto não é conseguir seguir os ensinamentos e chegar lá e sim se esforçar – ou neste caso, conhecer um pouco mais do budismo.

Eu realmente não sei qualé das pessoas fingirem uma crença que não condiz com o padrão de vida ou simular toda uma ideologia só pra parecer legal. Isso me assusta um tiquin porque os valores estão sendo distorcidos ao ponto das pessoas preferirem aparentar o que não são na internet do que perder um pouquinho do tempo delas para se encontrar, descobrir como é, do que gosta, qual ideologias acredita e quais não.

A verdade é que nunca vai existir auto entendimento – e, na minha opinião, só compreendendo a si mesmo que se consegue encontrar o que te faz feliz – sem desconectar um pouco do celular e focar um pouco só em você.

Too much

Imagem  Quando eu volto a escrever regularmente, eu começo a ter um estalo de inspiração, e na maioria das vezes é crítica. Estava deitada, de luz apaga, mexendo no Instagram, quando olhando uma foto de uma menina e lendo os comentários me dei conta de como temos que ser falsas para agradar.

Essa afirmação com absoluta certeza vai ser polêmica: Nossa adolescência seria bem melhor sem esses celulares moderníssimos, com internet, Instagram, Facebook, e Twitter incluso. Acabamos esquecendo de aproveitar os momentos, por puro exibicionismo barato online. Não gostamos de tal artigo, mas como todo mundo usa,usamos também. Tiramos uma foto legal só para ter mais curtidas, ouvir elogios que sabemos que são falsos, e com isso criar um circulo vicioso.

Não tô dizendo que a internet tem que ser banida, se não seria uma hipócrita. Acho a Internet uma das melhores invenções, e ela nos conecta de forma extraordinária. Mas venho percebendo de uns tempos pra cá, que vem sendo maléfica. Se existisse só no computador seria mil vezes melhor, sinto tanta saudade de esperar para chegar em casa para contar as novidades por MSN para a amiga. Era mais gostoso…

É claro que para minoria influente, eles a-m-a-m a globalização intensa. Muitos paparicos, pseudo-itgirlismo (essa palavra existe?! >obvio que não<), e cada dia mais perdendo o que nós somos, e quem somos. É um bombardeio de tendencias em que o que foi lançado mês passado acaba perdendo a graça e se tornando out.

E como qualquer generalização é errado (generalizar isso também), não vale para todo mundo. Eu que sou uma crítica nata, acabo ficando irritada com algumas atitudes, e mais irritada ainda por me importar.

Não podemos simplesmente nos desligar de toda as redes sociais, então acho que a solução seria deixar o celular de lado um pouco, e ficar on na real life!