O que restou de nós

--------2

Já revirei o baú de lembranças e procurei nos sentimentos empoeirados um restinho de você. O tempo passou rápido demais e levou consigo todos os meses, dias, horas e segundos que vivemos juntos para bem longe. Longe de tudo. De amigos próximos, lugares frequentados e gostos musicais. Conseguiu – depois de tanto sofrimento – levar você e todas minhas memórias para bem longe. Cheiros, gostos, sensações. Não sobrou sequer nostalgias para marcar alguma página do livro. Confesso que tentei folhear-lo em busca dos sentimentos perdidos, mas não encontrei nada. Sequer me lembro daquela música que você me disse que gostava e que te dava sensação de liberdade enquanto você dirigia na chuva. As vezes me dá uma angústia de não ter um pedaço de papel para me fazer lembrar o que eu era quatro anos atrás. Ou algo palpável. Mas talvez o destino agiu diferente e pregou uma peça limpando todos os rastros e destroços que você fez com meu coração e na minha mente. Destino, Deus ou eu mesma… Sei lá. A única sensação que me resta de tudo isso é o alívio e liberdade. Libertei meu coração, meu sofrimento e a tristeza e de brinde ganhei minha felicidade de volta.

De mudança

 2'

Fiz as malas. Coloquei só o essencial e descobri que não precisava carregar quase nada. Peguei o caderno com o restinho de papel que havia sobrado, uma caneta, algumas fotos e coloquei tudo em uma mala. Parti pro desconhecido. A unica certeza seria o rumo. Nenhum. Tinha o mais importante: Meu coração e minha mente. Decidi sair. Sair de tudo, de algo, de alguém. Decidi sair de mim. Decidi me livrar dos meus problemas e limpar todo o terreno, eliminando todas as possibilidades de “e se” que houvesse lá dentro. Me livrei de amigos ausentes. De gente invejosa. Do chefe que enche o saco. De toda a sociedade que prega uma verdade que não existe. Decidi, naquele instante em que a mudança consegue prevalecer na tradição, pensar por mim mesma. Gostar do que eu gosto e não temer por reações contrárias. Decidi ser livre… dos meus medos, das minhas frustrações, dos outros.

Sampa, São Paulo, SP

Imagem Eu amo de paixão São Paulo! E as vezes – ou quase sempre – consigo achar um texto que consegue simplificar as palavras que ficam entaladas nas pontas do meu dedo e eu não consigo expressar.

“Alguns dos meus queridos amigos cariocas têm a mania de achar São Paulo parecida com Nova York. Discordo deles. Só acha São Paulo parecida com Nova York quem não conhece bem a cidade. Ou melhor, quem a conhece superficialmente e imagina que São Paulo seja apenas uma imensa Rua Oscar Freire.

Na verdade, o grande fascínio de São Paulo é parecer-se com muitas cidades ao mesmo tempo e, por isso mesmo, não se parecer com nenhuma.

São Paulo, entre muitas outras parecenças, se parece com Paris no Largo do Arouche, Salvador na Estação do Brás, Tóquio na Liberdade, Roma ao lado do Teatro Municipal, Munique em Santo Amaro, Lisboa no Pari, com o Soho londrino na Vila Madalena e com a pernambucana Olinda na Freguesia do Ó.

São Paulo é um somatório de qualidades e defeitos, alegrias e tristezas, festejos e tragédias. Tem hotéis de luxo, como o Fasano, o Emiliano e o L´Hotel, mas também tem gente dormindo embaixo das pontes. Tem o deslumbrante pôr-do-sol do Alto de Pinheiros e a exuberante vegetação da Cantareira, mas também tem o ar mais poluído do país. Promove shows dos Rolling Stones e do U2, mas também promove acidentes como o da cratera do metrô e do avião da TAM em Congonhas.

São Paulo é sempre surpreendente. Um grupo de meia dúzia de paulistanos significa um italiano, um japonês, um baiano, um chinês, um curitibano e um alemão.

São Paulo é realmente curiosa. Por exemplo: tem diversos grandes times de futebol, sendo que um deles leva o nome da própria cidade e recebeu o apelido “o mais querido”, mas, na verdade, o maior e o mais querido é o Corinthians, que tem nome inglês, fica perto da Portuguesa e foi fundado por italianos, igualzinho ao seu inimigo de estimação, o Palmeiras.

São Paulo nasceu dos santos padres jesuítas, em 1554, mas chegou a 2007 tendo como celebridade o permissivo Oscar Maroni, do afamado Bahamas.

São Paulo já foi chamada de “o túmulo do samba” por Vinicius de Morais, coisa que Adoniran Barbosa, Paulo Vanzolini e Germano Mathias provaram não ser verdade, e, apesar da deselegância discreta de suas meninas, corretamente constatada por Caetano Veloso, produziu chiques, como Dener Pamplona de Abreu e Gloria Kalil.

São Paulo faz pizzas melhores que as de Nápoles, sushis melhores que os de Tóquio, lagareiras melhores que as de Lisboa e pastéis de feira melhores que os de Paris, até porque em Paris não existem pastéis, muito menos os de feira.

Em alguns momentos, São Paulo se acha o máximo, em outros um horror. Nenhum lugar do planeta é tão maniqueísta.

São Paulo teve o bom senso de imitar os botequins cariocas e agora são os cariocas que andam imitando as suas imitações paulistanas. São Paulo teve o mau senso de ser a primeira cidade brasileira a importar o CowParade, uma colonizada e pavorosa manifestação de sub-arte urbana, e agora o Rio faz o mesmo. São Paulo se poluiu visualmente com a CowParade, mas se despoluiu com o Projeto Cidade Limpa. Agora tem de começar urgentemente a despoluir o Tietê para valer, coisa que os ingleses já provaram ser perfeitamente possível com o Tâmisa.

Mesmo despoluindo o Tietê, mantendo a cidade limpa, purificando o ar, organizando o mobiliário urbano, regulamentando os projetos arquitetônicos, diminuindo as invasões sonoras e melhorando o tráfego, São Paulo jamais será uma cidade belíssima. Porque a beleza de São Paulo não é fruto da mamãe natureza, é fruto do trabalho do homem. Reside, principalmente, nas inúmeras oportunidades que a cidade oferece, no clima de excitação permanente, na mescla de raças e classes sociais.

São Paulo é a cidade em que a democratização da beleza, fenômeno gerado pela miscigenação, melhor se manifesta.

São Paulo é uma cidade em que o corpo e as mãos do homem trabalharam direitinho, coisa que se reconhece observando as meninas que circulam pelas ruas.

E se confirma analisando obras como a do Pátio do Colégio (local de fundação da cidade), a Estação da Luz (onde hoje fica o Museu da Língua Portuguesa), o Mosteiro de São Bento, a Oca, no Parque do Ibirapuera, o Terraço Itália, a Avenida Paulista, o SESC Pompéia, o palacete Vila Penteado, o MASP. O Memorial da América Latina, a Santa Casa de Misericórdia, a Pinacoteca e mais uma infinidade de lugares desta cidade que não pode parar, até porque tem mais carros do que estacionamentos.

São Paulo não é geograficamente linda, não tem mares azuis, areias brancas nem montanhas recortadas. Nossa surfista mais famosa é a Bruna, e nossos alpinistas, na maioria, são sociais.

Mas, mesmo se levarmos o julgamento para o quesito das belezas naturais, São Paulo se dá mundialmente bem por uma razão tecnicamente comprovada. Entre as maiores cidades do mundo, como Tóquio, Nova York e Cidade do México, em matéria de proximidade da beleza, São Paulo é, disparado, a melhor. Porque é a única que fica a apenas 45 minutos de vôo do Rio de Janeiro, e o mais importante é que, com essa distância, nenhuma bala perdida pode alcançar São Paulo!”

Whasigton Olivetto

#UPDATE

O vídeo é do ano passado, eu assisti ano passado, e muitas vezes depois mas ainda choro. É… Sou meio (muito!) sentimental.

Reencontro

uhul

 Um tempo atrás eu imaginava cada instante como seria te ver novamente… Rever um pedaço de mim em outra pessoa, um pedaço de memórias e do tempo que passamos juntos. Quando eu pensava nisso, meu coração começa a ficar apertado, doendo tanto, e uma lágrima caia em seguida. Sempre. Foram semanas de noites mal dormidas, aulas sem prestar atenção, saídas em que eu me isolava, e me distanciando cada vez mais de… mim.

Não foi fácil ver você partindo assim, do nada. Saiu sem fazer a mala, sem dizer adeus, sem um beijo de despedida. Foram dois meses para superar o termino e ainda sim a saudade entrava sem bater na porta.

Mas o tempo foi passando, e eu descobri como transformar uma ferida em carne viva em cicatriz. Se algo ficou, foi a lembrança de que eu consegui superar os problemas que eu não achei que fosse suficientemente forte para vencer.

Mas hoje eu te vi. Depois te tanto tempo planejando como seria cada segundo quando houvesse o reencontro, não saiu nada como planejado – E tenho que ser grata por isso -. Não fiquei nervosa, triste, e muito menos meu coração bateu mais forte como costumava ser. As borboletas no meu estômago não apareceram nem para dizer olá. Não me importei com a sua presença, nem seu olhar torto, e muito menos por você ficar bobo por dizer que eu estava mais bonita. Sabe por que? Porque eu pude olhar para o lado e perceber o que é ter alguém que goste mesmo de mim, e o que é estar em um relacionamento de verdade.