Confiar

confiar

Vai… desliza sua mãos entre os fios do meu cabelo enquanto nossos olhares nos conectam em um só. Me diz, só hoje, o que se passa com você, só que dessa vez de verdade. Sem rodeios, curvas. Enquanto estivermos juntos  não existira dissimulação, nem mentiras, nem segredos. Enquanto estivermos juntos, como estamos agora, não vão haver barreiras. Vai, eu consigo ver teu sofrimento e você consegue ver o meu por não poder te ajudar. Sua cabeça anda tão complicada como a minha era? Ou pior? São tantos questionamentos para alguém que fica tão fechado. Não vai adiantar se esconder de você mesmo, nem se trancar no seu mundinho paralelo. Você sabe que precisa encara-los. É difícil. Bem difícil. Mas vai por mim, é necessário. Não vai haver milhões de litros de destilados, nem maços de cigarros e nem gramas de maconha que irão te fazer esquecer disso. Por algum tempo, talvez. Mas não para sempre. Vai, manda pra longe essa barreira e olhe para o lado. Tô aqui. Do seu lado. Para quando você precisar. Prometo.

Porto seguro

porto seguro

Venho para o único lugar onde posso descansar. Onde posso repousar minha cabeça, ficar em silêncio e fechar meus olhos. Onde meus problemas magicamente desaparecem e dão lugar a uma sensação prazerosa. Vou para o único lugar onde sinto o que é ser especial. Vou para o seus braços. Talvez o único lugar que não haja mentiras, rancores, mascaras. Talvez o único lugar que olhares dão razão as palavras, onde um beijo consegue valer mais que qualquer coisa, onde algo sussurrado vale mais que um grito. Repouso em seus braços. Seus ombros me dão confiança, viram escudos de todo mal que tenta se absorver da minha vulnerabilidade dos meus problemas. Sou confusa. Perto de você tudo que parece estar errado se indireta. Você não é mágico, nem psicologo. Mas existe uma – umazinha – característica que faz todo esse milagre: o seu amor.

Final

Final

Sempre fui aquele tipo de menina que não gosta de extremos. Você sabe disso mais do que ninguém. É estranho pensar que nossa história se cruze e descruze tanto por ai. Só que dessa vez parece que chegou ao final. Nunca gostei de palavras extremistas – apesar de escrever sempre com elas -, mas é hora de encaixa-las na nossa história. Talvez um adeus seja um palavra um tanto comum para me despedir. Já inventaram uma palavra que exprima todos os sentimentos vividos com você? Acho que não. Seria demais tentar escolher uma para definir amor, carinho, respeito, confiança e afeto. Seria demais uma palavra para definir a intensidade. A saudade. Sua voz inconfundível. Meu professor de química é de São Paulo e tem o mesmo sotaque que você, até nisso você consegue ser memorável. Queria, porém, dizer que você fora o primeiro de algo… Não foi. Talvez as primeiras experiencias tenham passado, ou elas sequer existiram. Foram todas restritas a uma chamada de duras horas e centenas de quilômetros. Não sei. É estranho pensar que duas almas se conectem tão distantes. Quilômetros me lembra você também. E fofura. Mas você tá longe. Longe. Longe. Longe. Distancia. Merda. Quero você de corpo aqui do meu lado. Quero você. Físico. Por inteiro.

Valorizar

Não, esse não vai ser um texto para você, leitor, dar um “UP” na sua estima, amar-se em primeiro lugar. Vou tentar através dos meus pensamentos embaralhados, tentar colocar de forma ordenada o que venho pensando esses dias que se passaram.

Valorize quem te ama. Sabe aquela frase de que a saudade não é suficiente para trazer alguém de volta? Ela é extremamente valida. E não se trata necessariamente daquele amor, o amor carnal, o amor sexual. Isso se trata do amor de amigo, pai, mãe, irmão, avô, avó, primo, tio… substituímos tanto tempo preocupados por supérfluos alheios, por problemas dramatizados a toa, em vez de agradecer a quem estende a mão nas horas mais difíceis.

Brigamos por motivos idiotas, discutimos por meros detalhes…diariamente, e os “eu te amos”, “obrigado por tudo”, acabam por ficar na frequência semanal, mensal, anual. Se por um instante pararmos para pensar quantas formas de morrer existe por ai, talvez daremos em conta de como poderemos perder essas pessoas em apenas uma estralo de dedos, e com ela todos os sentimentos guardados quem deveriam ter sido expostos.

Então, vou propor algo para você que leu até o final. Coloque no seu dia mais obrigados, eu te amos, pode contar comigo sempre, e menos cala boca, não fala mais comigo. Porque já dizia Chico Buarque: “Que saudade é o pior tormento, é pior do que o esquecimento, é pior do que se entrevar…”