Aquela noite

aquela noite

Senti seu perfume de longe. A fragrância que me arrepia até hoje percorreu meus sentidos e me fez suspirar em silêncio. Você estava por perto, e podia sentir seu olhar me fitando de costas. Era a primeira vez que eu o via fora da escola, e consequentemente a primeira vez que você não me via de moletom, chinelo e legging. Talvez meu sexto sentido me avisou que você viria em uma dessas festas que eu detestaria ir se não fosse essa intuição. Mas o ponto foi: Tinha me arrumado para aquela noite. Demorei um tempão para fazer a maquiagem idêntica a um desses vídeos no youtube, tinha achado uma saia de pedraria linda e usava um salto que me deixava – menos – baixinha. Não me virei e fui grata por isso.

Nunca entendi muito bem essa tal de química… Mas era fato que desde o momento que meu olhar cruzava com você no corredor da escola uma faísca aparecia. Seu jeito marrento, alternativo e quieto sempre me deixou com uma pulga atrás da orelha. Isso sempre me encantou. Enquanto a maioria das meninas amavam os bombadinhos ultrajados de blusa de grife, calca de grife, e tênis de grife, eu me contentava com um de blusa xadrez e all star. E eu gostava disso.

As luzes piscando, a musica bombando e as pessoas dançando. Você e o típico copo de Whisky de lado observando algumas meninas te olhando. Uma faísca entre olhares e meu corpo inteiro eletrizado por ver você. Passos lentos acompanhados de batidas de coração rápidas e o estômago doendo de ansiedade. E minhas pernas ainda estão bambas. Nesse salto gigante. Por fora pareço estável, mas por dentro meu corpo inteiro entra em erupção. Coisa de paixão platônica misturada com a realidade. Você se aproxima e me dá um oi. Com o hálito de álcool misturado com o restinho de cigarro e uma bala de menta. Odiaria tudo isso se não fosse você.

Nos demos bem. Descobrimos coisas em comum e me senti menos estranha em meio a tanta gente se divertindo alucinadamente. O assunto fluía e o som alto nos obrigava a aproximação. Sussurrar palavras no seu ouvido e ouvir sua voz meio rouca embriagar meus pensamentos abolia minha razão. Me concentrava em seus olhos… a razão do meu tormento. Não consiga entender a fluidez da conversa, dos assuntos, dos gostos. Tudo igual. A musica se intensificou e você também. Sua mão no meu ombro. Na minha nuca. Sua boca a dez centímetros. Cinco. Três. Um. Zero. Gol. Química de meses explanada em um beijo idealizado de olhares atrás. Talvez um começo de uma história. Talvez um amor de uma festa só.

3 comentários em “Aquela noite”

Deixe sua opinião :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s