Quanto ao pessimismo alheio e todo resto

Imagem

Adicione um curso com pouca concorrência e quase noventa por cento voltado para lecionar, uma escola repleta de mimados e tenha uma situação quase comum: Preconceito e pessimismo alheio.
Dizer sobre o curso que pretendo fazer em uma faculdade é sinônimo de passar fome e olha que ainda nem escolhi o que quero fazer. Seria mentira dizer que não me preocupo com a renda no meu bolso no final do mês, mas não é algo que me faça desistir dele.
“Mas quem faz esse curso, noventa e nove por cento passa fome, faz medicina”. “Eu serei o um por cento que fará um banquete”, rebato com o sangue fervendo nas veias. E um “ps” aos leitores sofistas existentes por ai, as réplicas não são feitas no intuito de preocupação com meu futuro, e sim devido a mentalidade que só os cursos de medicina e direito prestam. Vai entender, né? Tenho uma mentalidade quase ingênua a objetivos: Se você for o melhor, você conseguirá destaque. Penso que em toda profissão se você obter melhores resultados, irá ser o melhor, e consequentemente ganhará prestigio. Mas ai vem a parte maliciosa da história: Eu sei que para fazer isso vou precisar RALAR em muito.
Entendeu o meu raciocínio? Agora estenda isso para o resto da sua vida. Plante esforço, e ganhará prestígio. Quando ao pessimismo alheio? Faça o mesmo que a foto ali, logo acima. Apenas uma sugestão.