“Seja um idiota. A idiotice é vital para a felicidade…

seja idiota

…Gente chata essa que quer ser séria, profunda e visceral sempre. Putz! A vida já é um caos, por que fazermos dela, ainda por cima, um tratado? Deixe a seriedade para as horas em que ela é inevitável: mortes, separações, dores e afins.No dia-a-dia, pelo amor de Deus, seja idiota! Ria dos próprios defeitos. E de quem acha defeitos em você. Ignore o que o boçal do seu chefe disse. Pense assim: quem tem que carregar aquela cara feia, todos os dias, inseparavelmente, é ele. Pobre dele. Milhares de casamentos acabaram-se não pela falta de amor, dinheiro, sexo, sincronia, mas pela ausência de idiotice. Trate seu amor como seu melhor amigo, e pronto. Quem disse que é bom dividirmos a vida com alguém que tem conselho pra tudo,soluções sensatas, mas não consegue rir quando tropeça?

Alguém que sabe resolver uma crise familiar, mas não tem a menor idéia de como preencher as horas livres de um fim de semana? Quanto tempo faz que você não vai ao cinema? É bem comum gente que fica perdida quando se acabam os problemas. E daí,o que elas farão se já não têm por que se desesperar? Desaprenderam a brincar. Eu não quero alguém assim comigo. Você quer? Espero que não. Tudo que é mais difícil é mais gostoso, mas… a realidade já é dura; piora se for densa. Dura, densa, e bem ruim.

Brincar é legal. Entendeu? Esqueça o que te falaram sobre ser adulto, tudo aquilo de não brincar com comida, não falar besteira, não ser imaturo, não chorar, não andar descalço,não tomar chuva. Pule corda! Adultos podem (e devem) contar piadas, passear no parque, rir alto e lamber a tampa do iogurte. Ser adulto não é perder os prazeres da vida – e esse é o único “não” realmente aceitável.

Teste a teoria. Uma semaninha, para começar. Veja e sinta as coisas como se elas fossem o que realmente são: passageiras. Acorde de manhã e decida entre duas coisas: ficar de mau humor e transmitir isso adiante ou sorrir… Bom mesmo é ter problema na cabeça, sorriso na boca e paz no coração! Aliás, entregue os problemas nas mãos de Deus e que tal um cafezinho gostoso agora? A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso cante, chore,dance e viva intensamente antes que a cortina se feche!”

Autor desconhecido 

“Um dia a maioria de nós irá se separar…

Imagem

…Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que compartilhamos…  Saudades até dos momentos de lágrima, da angústia, das vésperas de finais de semana, de finais de ano, enfim… do companheirismo vivido… Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre…  Hoje não tenho mais tanta certeza disso. Em breve cada um vai pra seu lado, seja pelo destino, ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe… nos e-mails trocados…  Podemos nos telefonar… conversar algumas bobagens. Aí os dias vão passar… meses… anos… até este contato tornar-se cada vez mais raro. Vamos nos perder no tempo…  Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão: Quem são aquelas pessoas? Diremos que eram nossos amigos. E… isso vai doer tanto!!! Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!  A saudade vai apertar bem dentro do peito. Vai dar uma vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente… Quando o nosso grupo estiver incompleto… nos reuniremos para um último adeus de um amigo. E entre lágrima nos abraçaremos… Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado… E nos perderemos no tempo… Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades… Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores… mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!!!”

Vinícius de Moraes

Passado

'textinho

Ela olhava aquela caixa de madeira pequena com lágrimas nos olhos. Procurava ansiosamente um pedaço da sua adolescência em papel branco com linhas azuis, enquanto se deparava com fotos, cartas, colares e pulseiras. Parava por um só instante para tomar um pouco de ar em meio a tanta choradeira e voltava a remexer cuidadosamente (mas afobada) em busca do seu tesouro. Pronto. Lá estava. O bendito. Abria com cuidado o papel amarelado tomando cuidado para não rasgar o que permanecia intacto por quase dez anos.

12/01/2010
Oi… É estranho conversar com um pedaço de papel, principalmente sabendo que só vai ser lido por mim mesma. Talvez no futuro eu dê risada, mas agora me sinto uma idiota por escrever sobre o que eu faço com treze -quase catorze – anos. Conversei com ele hoje e me senti – veja só – uma idiota. Me diz porque uma pessoa que demonstra tanto interesse nunca vem falar comigo, e só eu com ele? Eu queria poder entender, mas toda vez que eu toco no assunto, a resposta é confusa, e me deixa ainda mais… apaixonada. Sim, eu sei que não deveria, mas gostar de um garoto mais velho me deixa assim. Eu prometo para mim mesma esquecer mas toda vez que a janela do msn pisca meu coração se derrete… e junto com ele minha inteligência de participar dos joguinhos. Ele pisa em mim e ainda quero mais.

Queria poder pensar o final dessa história, mas até hoje não sei. Depois conto o final dessa história. Mas posso adiantar que não termina bem, e desde então nunca mais vi o dito cujo.